Digital clock

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

A Sucessora

Cartaz meramente ilustrativo da próxima HQ televisiva das seis
Passe a ponta do dedo indicador na língua e vire a página do seu caderno de apontamentos onde você copia as aulas de história. Diante da tecnologia digital, a imagem lembra foto gasta, preto e branco e com fungos nas pontas, sumindo aos poucos. Hoje em dia uma pequena caneta e uma tela digital nos jogam para o túnel do tempo, mas vamos esquecer as tecnologias avançadas e ir direto ao que interessa.

Faça uma revisão histórica na coluna da Lúcia Hipólito. Desde Artur Bernardes (1922-26), um presidente da República eleito diretamente pelo povo não faz o sucessor. Use sua bola de cristal, pesquisas, declarações presidenciais e responda lá com seus botões: Dilma será a sucessora de Lula? Ou a sucessora será Suzana Vieira?

Considerando que a ficção dá audiência e que os autores e diretores martelam em nossas cabeças que novela é obra aberta, como será o amanhã?

O brasileiro reage bem ao programa vale a pena ver de novo, como a nova pesquisa divulgada pela Datafolha, com aprovação recorde do governo Lula: 65%.

Pesquisas no Brasil sempre geram desconfiança, mais ainda com essa onde de grampos, corrupção, a volta de Roberto “Mensalão” Jefferson às manchetes e o bate-boca inútil entre cristãos e muçulmanos na fábula “Nunca antes na história deste país houve...” ou de que Lula é milagreiro ou uma farsa.

Nem uma coisa nem outra. Se foi eleito deve fazer jus aos votos realizando um bom governo. O resto parece dramalhão folhetinesco. A firulagem pastelão, mero acessório presidencial como manda o script do personagem central.


[ A Sucessora foi uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 18 horas de 9 de outubro de 1978 a 2 de março de 1979. A história exibida em 125 capítulos, foi escrita por Manoel Carlos e dirigida por Herval Rossano, Gracindo Júnior e Sérgio Mattar. No elenco, Suzana Vieira, Rubens de Falco e Nathália Timberg.

A novela A Sucessora ganhou duas versões na América Latina: "Manuela", em 1991, na Argentina, e "Isabella, Una Mujer Enamorada", em 1999, no Peru. ]

Um comentário:

analuizacouto disse...

Rapaz, eu assisti à primeira sucessora... Será que vou ter de encarar a segunda???