Digital clock

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

E a "Máscara de Jason" vai para!...

Reprodução feita a partir de cenas do filme. Ronald Junqueiro
Dá uma tristeza ver o Brasil do jeito que está. Violência, mentira, golpes, políticos de baixo calão, enganação geral, cinismo pela hora da morte. Nada disso é novo e nem podemos ser inocentes para acreditar que tudo começou agora, na era Lula.

Mas não há como fechar os olhos para tanto descalabro.

Tudo é ambição, guerra pelo poder, manutenção do poder e o povo que lamba o chão.

Quem mente afinal, Lina ou Dilma? Lula?

Sarney? Palocci? Mercadante? Aquele que faz do Senado o quartel de Abrantes...E que diz que não amarelou, que o apelo do PT para o seu “dia do Fico” era maior - PT que mais parece, hoje, Partido da Traição.

Nesse circo de horrores, vamos criar um Prêmio Nacional made in USA? Mas sem ameaçar a natureza. No lugar da Cara de Pau lançamos como prêmio para os piores cidadão do Brasil a máscara de Jason, no prêmio “Monstros do Brasil”.

sábado, 15 de agosto de 2009

Bob Dylan, um cidadão comum, simples mortal

Uma janela discreta. Ronald Junqueiro
Os dias passam sem dar satisfação. Hoje é sábado, depois é domingo e logo será a próxima semana, o que importa? Dias são o disfarce do tempo, assim como os relógios, as ampulhetas, o calendário, a agenda, o blog, a areia sob a qual seremos soterrados se nossos corpos não se transformarem em pó numa breve cerimônia fúnebre.

Soterramento leva ao esquecimento. O tempo é areia. Sob o tempo, cobrem-se vivos e mortos. Todos os dias. A falta de memória não está perdida lá no fim do túnel. Ela está na manhã de hoje, há algumas horas atrás. Não é coisa de desmemoriados apenas, mas de ignorantes, de um bando atropelado por essa velocidade temporal que nos faz perder o bonde da história ou o trem bala. Só quem viveu Woodstock ou sua era, guarda essa emoção que chega até aqui, quarenta anos depois. Montam colagens de velhos ídolos, muitos deles já mortos.

Para a moçada de hoje, isso não tem o mesmo significado. Lenda é um equívoco. Ora vejam só. Leio na Internet:

“A lenda do rock Bob Dylan foi tratada como um completo desconhecido pela polícia em uma comunidade na costa de Nova Jersey, quando um morador denunciou que alguém estava vagando pela vizinhança”.

Recorte do dia. Dylan foi parado por policiais que não o reconheceram e exigiram sua documentação, numa comunidade na costa de Nova Jersey. Os guardinhas tinham cerca de 20 anos. Claro que o Dylan de quarenta ou vinte anos atrás não é o mesmo hoje, não está no noticiário como as novas bandas e ídolos do rock e os guardinhas não têm obrigação de saber que estavam abordando uma lenda. Fizeram o que tinham de fazer mesmo que o roqueiro dissesse que estava em turnê.

Um morador desconfiado e policiais que estão mais para a geração dos filhos dos filhos da paz e do amor acabaram com o passeio de Dylan. O artista disse aos policiais que estava apenas caminhando e observando as casas para passar o tempo, antes do show de noite. Era apenas um transeunte, queria ser um simples mortal como tantos outros anônimos flanando pela cidade. Era um simples mortal.

Há dias logos e há dias curtos. E nesse passar podemos ser interceptados e impedidos de olhar a paisagem, a arquitetura das cidades, o movimentos dos anônimos. Somos todos suspeitos por estarmos na rua. Mas isso não impede a marcha nem a caravana. Nem os cães ladrando.

Outras coisas que me chamaram a atenção no dia:

- Shahrukh Khan, um dos mais famosos atores indianos, foi detido por duas horas no aeroporto de Newark, perto de Nova York, neste sábado. Khan teria sido libertado após a intervenção de um diplomata indiano nos Estados Unidos.

O ator, uma das maiores celebridades de Bolllywood (a indústria indiana do cinema), acusa as autoridades de imigração americanas de tê-lo interrogado por causa de seu sobrenome muçulmano.

O ator já apareceu em mais de 70 filmes de Bollywood e ganhou inúmeros prêmios por suas atuações. No ano passado, a revista americana Newsweek listou seu nome entre as 50 pessoas mais influentes do mundo. (BBC)

- Cerca de 200 pessoas fizeram à tarde, no Rio de Janeiro, um protesto contra a permanência de José Sarney (PMDB-AP) na presidência do Senado. Eles percorreram a orla da Praia de Copacabana do Posto 6 até o Hotel Copacabana Palace, exibindo cartazes com inscrições como "Fora Sarney", "Lugar de corrupto é na cadeia" e "Pena de morte para os ladrões". Muitos usaram nariz de palhaço, máscara para evitar gripe suína com os dizeres "Fora Sarney" e carregaram caixas de pizza. O grupo fez ainda um minuto de silêncio e cantou duas vezes o Hino Nacional durante a manifestação, que teve três horas de duração. (Agência Estado)

- O engenheiro Januário Reina, secretário de Administração da Prefeitura de Sorocaba, foi preso na tarde deste sábado por policiais da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic). Ele foi flagrado com três adolescentes dentro de um motel em Itu, por volta das 15h30. (Agência Estado)

- A exposição Joconde - Da Monna Lisa alla Gioconda Nuda que é dedicada a trabalhos inspirados no quadro Mona Lisa. em cartaz no Museu Ideale Leonardo Da Vinci, na região da Toscana, até 30 de setembro. A mostra é dividida em duas partes: uma com obras histórica e outra com peças de arte contemporânea. Algumas destas obras trazem retratos da Mona Lisa nua.

Claro está que nenhuma delas bateria dona Norminha, personagem da talentosa (e gostosa!) paraense Dira Paes, na capa Playboy, se a atriz atendendesse aos apelos dom editor da revista.

Tem mais espetáculo, mas por agora vou dar uma espiada pela janela.

sábado, 8 de agosto de 2009

Fato do dia - ou da noite. Porrada e ficção



Imagens de Letícia Sabatella, grande atriz brasileira. Ronald Junqueiro

Ivone teve a surra merecida. Letícia Sabatella está impecável como vilã e na sexta-feira, contracenando com a fantástica Cristiane Torloni, deu um show de interpretação. Acho que a personagem deveria ser eleita a musa do Senado. Ao menos na ficção, a personagem mostra, sem mentir, o caráter que tem.

Nossos senadores precisam cair na real. Plenário não é palco. Mas se assim fosse e ali eles estivessem apresentando para o País uma mega produção, a ficção poderia virar realidade e todos estariam com as caras inchadas de porrada e vermelhas com sangue de verdade e não sangue cenográfico.

Senhores senadores, sejam apenas senadores, nada mais do que isso. E parem de roubar a cena da Ivone!

Brasil, o império das cagadas

Cruzamento perigoso na Pedro Miranda com Mauriti. Ronald Junqueiro

A gente sempre está com muita pressa. Todos os dias nós percorremos trajetos que nos levam daqui para outro ponto como o coração e a mente funcionando no piloto automático. Até quando essa rota é interrompida temporariamente – às vezes a interrupção é fatal para muitos.

As ruas colecionam crônicas, a maioria povoada por anônimos, que podem sair na primeira página e ser manchete em outros cadernos do jornal. É a crônica policial que mais se multiplica. A primeira semana de agosto veio como onda forte, daquelas que arrastam tudo o está a sua frente.

No cruzamento das ruas há vida e morte. A tragédia do dia a dia é tão comum como dar nó no cadarço para firmar os sapatos. Isso não evita o passo em falso.

Atenção, ao dobrar uma esquina. Atenção, tudo é perigoso. Bem antes da Tropicália.

A foto revela o perigo iminente, constante, quase inevitável. Um dia antes, um homem foi atropelado e teve fraturas múltiplas neste trecho da Avenida Pedro Miranda com a travessa Mauriti. Ele calculou mal a travessia da rua fora da faixa de segurança e foi colhido por um carro de passeio. Para sorte do pedestre o motorista não dirigia em alta velocidade.

No dia seguinte, parei no mesmo cruzamento, pois havia uma batida violenta e a perícia do Departamento de Trânsito atrapalhava o percurso de quem ia do lado direito da pista central, que é de mão dupla.

Na foto, do lado esquerdo da pista central por onde o tráfego continuava, via-se outro retrato do quanto a cidade é um caos. O semáforo muda para o verde, um ciclista e um carroceiro fazem um desvio para seguir adiante. Mas lá no fundo, no mesmo lado da pista, um cadeirante disputa espaço no trânsito. Cadeira de rodas virou veículo. Que loucura! A cidade não foi preparada para os cidadãos. Isso é uma merda quando a gente briga todos os dias para ter o que muitos defendem, mas que é privilégio de poucos: a cidadania.

Enquanto isso, no Senado, a baixaria corre solta. Senadores se intitulam cidadãos de primeira categoria, mas o teatro, no plenário, é uma produção das mais baratas na qualidade dos que representam seus papéis: políticos incultos, dromedários, de ínfima categoria e que arrotam serem representantes legítimos de um país que eles nem prezam.

Fora Sarney! Fora Collor! Fora Renan e toda a camarilha governistas que estão cagando e andando para urna eletrônica que deu a eles assento no Congresso Nacional. Na verdade, eles merecem um penico como troféu para depositar a merda retirada da cabeça de cada um deles, pois eles são também os responsáveis pela cagada que está emporcalhando o Brasil.

Pizza da sexta-feira: O presidente do Conselho de Ética do Senado, Paulo Duque (PMDB-RJ), arquivou as sete últimas denúncias por falta de decoro parlamentar contra o presidente da instituição, José Sarney (PMDB-AP), enviadas ao órgão por partidos e parlamentares.

sábado, 1 de agosto de 2009

Almofadas vermelhas ao sol

Almofadas refletidas na TV abandonada na sala. Ronald Junqueiro
O dia pode ser assim, um pouco modorrento. Sábado vira dia de faxina sem afobação. E correm as notícias, o mundo roda, o planeta gira.

Hugo Chávez roda a chave da censura para fechar a boca do povo. Cancelou a licença de 34 emissoras de rádio e ameaça tirar do ar outras 200, em meio a uma campanha para acabar com o que chama de "abuso" da liberdade de expressão.

Chávez não passa de um presidente bundão. Os venezuelanos deveriam sentá-lo numa chapa quente. O poder não pode intimidar o povo.

Cá no Brasil, a família Sarney precisa entender que censura não vai funcionar para esconder o caldo da lavagem de roupa suja no Senado. A Justiça proibiu o jornal O Estado de S. Paulo de publicar reportagens sobre a investigação da Polícia Federal contra Fernando Sarney, filhinho de papai. Medidas escrotas como a que foi adotada pelo desembargador Dácio Vieira, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, não limparão a merda feita pelo senador José Sarney (PMDB-AP) - pai do Fernandinho - mergulhado em denúncias de nepotismo, envolvimento em atos secretos e desvio de verbas da Petrobras.

Sarney não aprendeu nenhuma lição de democracia.

O Lula, presidente gogó de ouro, malandramente, deixou de defender o senador-escritor maranhense “Marimbondo José Sarney de fogo”. Aliás, falta ao nosso presidente doses homeopáticas de simancol. Como o poder lhe subiu à cabeça! Mesmo assim, vermelho que nem ele, podemos dizer que Lula amarelou.

Vejamos o que mais o sábado nos trouxe:

Meninas baleadas num morro do Rio de Janeiro e assassinatos em Belém do Pará.

Milhares de poloneses celebraram os 65 anos da revolta de Varsóvia contra a ocupação alemã. As comemorações contaram com a presença de inúmeros veteranos de guerra. A insurreição de 1944 foi uma tentativa de instaurar o poder em Varsóvia antes da chegada das tropas soviéticas. Os festejos da revolta só foram oficializados a partir de 1989, o ano da queda do regime comunista. Nesse episódio da Segunda Guerra Mundial morreram 18.000 combatentes poloneses, 17.000 soldados nazistas e 200.000 civis.

A vida vale muito. Não pode ser encarada como o que nos resta.

Em Amsterdã pela primeira vez, policiais e soldados do exército holandês juntaram-se aos desfiles da parada Gay usando as fardas. Durante o evento foi celebrado. A Holanda é um país pioneiro nas questões de defesa dos direitos homossexuais. Em 2001 tornou-se na primeira nação do mundo a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Já em Portugal, o Tribunal Constitucional rejeitou o direito ao casamento entre duas mulheres. Teresa e Helena vão recorrer da sentença junto ao tribunal europeu dos direitos humanos.

Filipinos emocionados com a morte de Corazon Aquino, a mulher que derrubou a ditadura de Ferdinando Marcos e de Imelda Marcos, conhecida como a mulher dos 3.000 pares de sapatos. Eles dominaram, por 21 anos, o império do nepotismo.

Cory , como era conhecida Corazon, não pode ser esquecida.

O desmatamento na rodovia Santarém-Cuiabá está fora de controle. Segundo relatório divulgado nesta sexta-feira (30) pelo Imazon (Instituto do Homem e meio Ambiente da Amazônia), a área desmatada, equivalente a 60 vezes o Parque do Ibirapuera, em São Paulo, foi destruída nas margens da rodovia BR-163, que liga Cuiabá (MT) a Santarém (PA).

Apenas três municípios paraenses, próximos a essa estrada, concentraram 95,1 km² de florestas derrubadas.

Enquanto isso, deixo as almofadas ao sol para matar os ácaros. Almofadas vermelhas ao sol

Flagrante da cidade em julho.

Avenida Pedro Miranda. Domingo, julho, 26/2009. Ronald Junqueiro

Era uma manhã de domingo. Belém e a quietude do verão. A avenida Pedro Miranda quase sem movimento de carros e gente reflete a calma que a cidade precisa para mostra-se sem a neurose que a acometerá no final do veraneio. Tudo é passageiro, como nós em cada estação.