Digital clock

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Essa cara de espanto do governo com as denúncias de que o Brasil é alvo da espionagem de Barak Obama é a mesma de quem assiste a filme de Freddy Krugger, espanto com a ficção. Não vamos levar a sério. É exaltação para desviar o foco.

Precisamos olhar pra nossa realidade sem perder o foco. Essa indignação com a indigna ação da espionagem dos Estados Unido no Brasil é coisa do arco da velha... Ou você acha que espionagem é coisa de hoje? Ah, que ingenuidade!
Daí o governo central faz um panelaço desnecessário para desviar nossa atenção do que pedimos: reformas essenciais, mudanças e muito mais... e faça-me o favor! Não estamos pedindo favor, apenas cobrando o que é nosso, como estão sendo aplicados nossos investimentos pulverizados em impostos de pouca visibilidade no que devemos ter como retorno: sistema de saúde bom, boa educação, segurança, um funcional sistema de transporte...
Não existe essa história de governo bonzinho, com bolsas, pacs e outros badulaques... elas não nos dão nada "de grátis". E não podem nos dar o que já é nosso por direito.
Boto fé nessa juventude que virou a voz de outras gerações que pouco fizeram. Tenho ouvido alguns "maduros" senhores e senhoras já passados dos 30 se achando massa crítica do momento e que na verdade são puro verniz. Me poupem! O que fizeram essas gerações com efeito duradouros? Cantam "nossos ídolos ainda são os mesmos" em tom de saudosismo, penduram-se em bons empregos, fazem a unha semanalmente com o esmalte mais fashion do salão de beleza, trocam o carro todo o ano, viajam de férias para lugares badalados, cospem trufas na cara dos outros, fanatizam-se a troco de nada e adoram um holofe - ou um canhão, mesmo que sejam o dublê de corpo.
O novo sempre vem. Ô Abram alas! com a alma da Chiquinha Gonzaga... Bora apoiar essa gente nova que tem voz para não esvaziar e banalizar o movimento... ou, se você for muito pessimista, recolha-se ao quartinho dos entulhos.



sexta-feira, 5 de julho de 2013

Traço novas rotas. Há outros horizontes a serem alcançados. Não tenho instrumentos para calcular as distâncias, por isso me deixo levar,vagamente, no meu tempo, tempo, tempo...

Eu, meus livros e meu mapa de viagem pelo mundo e pela imaginação
Reencontrei o Imarginálico. Nara fez mais um aniversário e sua voz continua vive na minha memória. Não vou abandonar o blog nem chutá-lo feito cachorro morto. Meu diário vai continuar aqui, boiando no espaço e recolhendo alguma coisa perdida no caminho. Ele vai ficar ancorado em um novo blog que estou gerando, o Diário da Berlinda, onde irei falar - ou divagar - sobre a experiência que foi escrever um romance, o "Berlinda - Asas para o fim do mundo", que será lançado no dia 17 de outubro deste ano, no espaço Teatro Estação Gasômetro, no Parque da Residência, no happy hour.