Digital clock

terça-feira, 4 de maio de 2010

Não há detergente para limpar ficha de candidato sujo. Devemos barrar caras-de-pau que querem se manter no poder na marra.

.
.
.
Vamos marcar quem não tem ficha limpa. Peguei no Correio Braziliense notícia sobre como é em alguns países o "NÃO" ao candidato ficha suja. Taí o circuito:

Estados Unidos

Em alguns estados são consideradas inelegíveis pessoas condenadas por crimes graves, como homicídio e tráfico de drogas. As diversas legislações estaduais também dão ênfase à prática de suborno ou crime de perjúrio, utilização de dinheiro para influenciar as eleições, corrupção passiva, peculato, malversação, políticos que tenham sofrido impeachment, etc.

Alemanha
Uma condenação judicial desqualifica uma pessoa para votar e ser votada.

Espanha
Estabelece que são inelegíveis os que foram condenados por sentença, ainda que não haja trânsito em julgado, por atos como terrorismo, rebelião ou crimes contra as instituições do Estado.

Uruguai
A cidadania se suspende quando alguém é processado em causa criminal que possa resultar em cumprimento de pena em prisão. Para disputar os cargos de deputado e senador é necessário possuir cidadania natural em exercício.

Luxemburgo
A condenação criminal é uma das hipóteses de inelegibilidade.

Austrália
São inelegíveis aos cargos de senador e de deputado federal, entre outros, aqueles condenados a mais de um ano de prisão, independentemente do tipo de crime cometido.

Bélgica
São inelegíveis aqueles que tiverem suspensos os direitos de exercício do voto em função de alguma condenação.

Holanda
É impedido de votar e ser votado aquele que tenha cometido crime cuja pena seja superior a um ano.

Nenhum comentário: